28 de janeiro de 2012

O filho preferido

Aqui há tempos a "Visão" publicou uma matéria acerca dos filhos preferidos, assunto "tabu" para os pais de mais do que um filho. Ora a matéria deixou-me inquieta. Eu, filha única, de pais babados, nunca me sentindo a filha perfeita sempre soube ser a preferida, claro está. Como mãe de um filho único que é a luz da minha vida nunca me ocupei com estes pensamentos mas angustia-me a simples ideia de não amar tanto um segundo filho como amo o meu primogénito. A comparação vai parecer ridícula mas é a única que tenho: tive duas cadelas durante anos (que morreram de velhice) e tinham personalidades muito distintas. Se me perguntam de qual gostava mais eu não sei responder gostava de ambas por motivos diferentes mas com peso igual, não tinha uma preferida. Será que com os filhos não será assim? Será porque os pais têm o desejo de se concretizar através dos filhos e preferem o que mais proximo disso estiver? Será que preferem o que se parece mais consigo? Será que esse estudo é uma treta e pode ser assim como pode não ser nada disso?
Bom, à minha inquietação o meu filho respondeu.
Habituado a que eu lhe diga "És o meu filho preferido" (não havendo mais nenhum nunca me pareceu mal) repensei e quando ele falou na vontade de ter um mano perguntei "então e depois já não posso dizer que és o meu filho preferido..." ao que ele despachou "claro que podes, dizes aos dois", "Como?" perguntei "quando estiver contigo digo que és tu e quando estiver com ele digo que é ele?", "Não, mãmã, dizes assim: meus queridos vocês são os meus filhos preferidos!"

É sábio ou não?! E doce, muito doce.

2 comentários:

  1. também li essa matéria, fiquei um bocado atónita mas como não tenho filhos não me posso pronunciar. apenas penso que eles, no artigo, confundiram amor com parecença. há pais que se devem rever mais num filho do que noutro por ser mais parecido em termos de personalidade, mas daí a dizerem que isso é amar mais um do que outro acho exagerado.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. A sabedoria das crianças é surpreendente! :)

    ResponderEliminar