9 de novembro de 2012

O amor divide-se ou multiplica-se?

Há muito que preciso de verbalizar os sentimentos que me inquietam agora que serei mãe de novo, ou melhor, serei uma mãe partilhada. 
Não sei se este é um sentimento comum ou não mas à alegria de esperar mais dois filhos junta-se um medo terrível, um duplo medo: medo de que o meu filho, único até agora, a quem durante 6 anos foi devotada toda a atenção, se sinta menos amado, que sofra, que crie ressentimentos e medo de não ser capaz de amar tanto os irmãozinhos como amo e sempre amei a ele, desde o momento em que soube que ele já existia dentro de mim. Acredito que o amor não se divida, antes se multiplique mas, não tendo referências pessoais por ser filha única, não consigo evitar esta dualidade de emoções, estes receios. São devaneios tresloucados meus? Ou, antes pelo contrário, passa pela cabeça de todas as mães?

9 comentários:

  1. hummm adoro estes temas...
    bem da experiencia que vejo das amiguinhas da minhas filhas com irmaos bebes corre tudo lindamente, as crianças ate crescem mais um bocadinho afinal serao o irmao mais velho, adoram o novo bebe.
    Da minha experiencia de mae de duas quase da mesma idade a coisa e diferente, mas e dificil desdobrar-me para atender as duas, sao mto competitivas, e mto dificil gerir a atençao dada a cada uma.

    Felicidades
    Maggie

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Maggie, o meu filho pedi muito um/a maninho/a e ficou louco de alegria quando soube que em vez de um ia ter dois e é muito carinhoso para com a barriga e com a ideia dos bébés mas fico apreensiva com o que irá sentir quando nascerem... Coisas de mãe.

      Eliminar
  2. Eu só tenho um, mas o meu sobrinho e afilhado do meu marido era filho/neto/sobrinho único e ganhou 1 irmão, 1 primo e entrou para a escola no mesmo mês... Sempre achei que ia ser o caos, 3 acontecimentos tão fortes de uma vez só! A verdade é que correu bem, dissemos-lhe sempre que ele é o mais velho e que tem que ensinar tudo aos pequeninos e ele abraçou a missão e adora os pequenos! Houve uma altura que quis chuch e biberão, mas foi no inicio e passou depressa! Acredito que consigo tambem vai correr bem como connosco!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Magui, é uma questão de aguardar...

      Eliminar
  3. O amor multiplica-se, sempre, sempre e sempre, nunca se esgota.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que todas nós sentimos isso, mas o amor multiplica-se e o amor que ele vai sentir pelos manos vai absorve-lo tanto...

    Eu quando nasceu a Leonor, de vez em quando ia passear sozinha om a Francisca só para ela sentir que a vida não tinha mudado assim tanto..

    ResponderEliminar
  5. eu sou a mais velha de seis e adoro os meus irmãos, nunca tive problemas, até se podem ter ciúmes mas quando nos apercebemos que temos mais gente para brincar connosco e não precisamos de ir para a casa dos amigos para o fazer, é uma alegria, e muitas mais coisas, é muito bom:)

    ResponderEliminar
  6. S*; JS; Ana - O meu maior desejo é que ele se sinta feliz com a chegada dos manos pois na realidade e tendo sido ele sempre muito insistente no pedido de um irmãozinho e junto com a vontade que eu tinha de lhe proporcionar uma infância menos solitária do que a minha, foi essa a nossa vontade: a de trazer ainda mais amor à nossa casa!

    Beijinhos a todas

    ResponderEliminar
  7. Essa dúvida assola todas as mães no inicio, chegando mesmo a temer não amar tanto o segundo como o primeiro! Não te preocupes, é apenas uma questão de tempo e verás que ambos se vão amar incondicionalmente. E de irmão para irmão a mesma coisa!

    ResponderEliminar