27 de maio de 2013

Coisa para me pôr doente

Ouvir o meu filho mais velho, que sempre adorou o ballet, dizer que não quer ir mais às aulas, não porque não goste mas porque quer ser um menino como os outros do colégio (e não ser gozado) parte-me ao meio, faz-me doer as entranhas todas e escalda-me a alma. Lá lhe explico que claro que ele é um menino como todos os outros do colégio, se há meninos que se riem é porque não sabem o que é o ballet, e que simplesmente há meninos que gostam de umas actividades e outros de outras e que TODAS as actividades são para meninas e meninos, é uma questão de gosto. E ele vai, sempre, e volta todo feliz e entusiasmado.
E isto deixa-me zangada e revoltada não só como mãe mas como professora de ballet, é como remar contra a maré passem os anos que passem. E deixa-me triste com a sociedade em que vivemos, pobre, paupérrima, ignorante, pouco mais do que analfabeta (os nossos filhos são o espelho da sociedade onde vivem) e apetece-me sair daqui para fora e ir educar os meus filhos para onde a cultura, a informação e formação sejam reais e não apenas uma camisolinha que se veste para os outros verem.

18 comentários:

  1. Que triste... Espero que ele mude de ideias e que se mentalize da tristeza que te está a causar!
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, ele não tem culpa,nem eu nunca o obrigarei a andar no ballet caso não goste, o problema é que ele quer ir mas já começa a sentir na pele o estigma dos meninos no ballet...Isso é que me entristece.

      Eliminar
  2. É realmente triste. Aconteceu com outros meninos e sim, as crianças são cruéis.

    Um beijinho para vocês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai Joana... As crianças são sim crueis (o meu também não é santo) mas esta matéria em particular é o reflexo do que à sua volta é mostrado.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Olá Cat :)

    Olha, procura aqui: http://dropsdafal.blogbrasil.com/archives/2013_04.html um post chamado Danone (o sistema deste blog não deixa linkar um post só, apenas o mês) e mostra o vídeo ao teu filho :)

    Conheci o miúdo, e a mãe dele, e a luta que foi: vai estudar, fazer um curso, a vida é isso, enfim, tudo coisas que todos nós ouvimos, ele entrou na USP, a universidade mais difícil de entrar de São Paulo, a + difícil do Brasil, trancou a matrícula, a mãe quis matá-lo, e ele insistiu em dançar. Olhaí o resultado :)

    De resto, digo-te a ti, um dos gajos mais giros que me cortejou, e com umas pernas que benza o deus, era bailarino da Gulbenkian. E macho, muito macho... :)
    Bjo e boa sorte :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isa! Obrigada :) De facto tem sido a minha tática mostrar-lhe grandes bailarinos da actualidade e ele fica fascinado com as grandes elevações e a força e esquece o resto!
      Agora fiquei curiosa sobre a identidade do bailarino da Gulbenkian ;) ( e ai que saudades da Gulbenkian - suspiro).
      Beijinhos

      Eliminar
    2. ahahahaha, chamava-se João, conheci-o na night e nunca mais o vi, era lindo... :) bjo

      Eliminar
  4. Senta-te com ele a um fim de semana e vejam o Billy Elliot. Aqui em casa, de cada vez que há um esboço de estranheza quando se vê meninos bailarinos, trato de repor a normalidade. A minha filha já acha normalíssimo ver rapazes a dançar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, adoramos esse filme, já o vimos várias vezes, em familia, e também o Francisco a sós (mesmo não entendendo inglês). Para ele não é nada estranho ver meninos a dançar pois vê bailados comigo desde que nasceu ele acha estranho é não ser natural para os outros e sofre com isso... Obrigada! Um beijo enorme.

      Eliminar
  5. Eu entendo também, foi essa razão que um dia levou o meu filho a deixar de me dar um beijo quando o deixava no portão da escola. Porque os miúdos são cruéis e todos juntos piora. Espero sinceramente que consiga encontrar a 'solução' que passa muito pela maturidade que a vida se encarregará de lhe dar. No entanto, os exemplos de artistas/bailarinos de nome podem na verdade ser uma grande, grande ajuda
    Boa sorte
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, só não deviam ter que lidar com estas coisas tão pequenos (nem nunca), tudo devia ser natural... Beijinhos

      Eliminar
  6. Ainda na senda daquela espécie de mantras: É uma oportunidade para vocês, em família, experimentarem fazer frente ao preconceito e abraçar aquilo de que realmente gostam. Preconceitos vai haver sempre, é bom aprendermos desde pequeninos que temos força para lhes fazer frente em nome de coisas que valem mesmo a pena :) Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois claro, é isso que temos feito, alertando e lutando como podemos contra este (e outros) preconceito!
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Essas meninas ainda não sabem apreciar um rapaz que saiba dançar!!

    ResponderEliminar
  8. Segues a SouleMama? Mostra-lhe os meninos dela (10 e 12 anos) a dançar... E a jogar baseball, e a andar de skate/bici e mtas outras coisas de pré adolescentes 'normais'. Há espaço para tudo, havendo vontade.
    Podem ser um bom 'role model', talvez mais tangíveis que os outros dos filmes...

    E depois, qual é o problema de fazermos coisas diferentes? Se fossemos todos iguais era cá um enjoo!
    Os miúdos, quando se incomodam, é pq alguém mto próximo já está incomodado, não?

    Pois se é uma coisa que ele escolheu, que ele gosta, tb não se iria demover por vergonha, por pressão de pares... Digo eu, que cá em casa somos do menos maintream que há (minha miúda tem mm idade do teu mais velho) e ela nem pestaneja.

    Beijinhos!
    Cat

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo
      Não conheço mas vou procurar, obrigada pela dica!
      Cá em casa e para toda a familia a dança faz parte do mais elementar, quando ele quis fazer ballet (não foi imposição minha apesar de ser professora de ballet) eu fiquei felicíssima e é um orgulho para nós vê-lo no palco (o avô até chora de emoção) e a única coisa que desejo é que ele faça sempre aquilo que o deixa feliz e que consiga ser indiferente a pressões e/ou preconceitos.
      Beijinho

      Eliminar
  9. E propor uma apresentação no colégio? Na escola do meu filho há aulas de dança. Eu pensei inscrever o meu filho mas recuei perante a inexistência de outros meninos inscritos. Mas em posterior conversa trocada com o pai de um colega percebi que com ele acontecera o mesmo! Tenho a certeza que se a professora de dança tivesse falado com os pais havia meninos inscritos. Assim ficamos todos com medo de ver os nossos filhos gozados;(

    ResponderEliminar